novelas   / Jorge Brasil

'Éramos Seis': a dramática morte de Carlos

O rapaz é baleado durante uma manifestação que culminará na Revolução Constitucionalista de 1932

Fernanda Chaves Publicado quarta 5 fevereiro, 2020

O rapaz é baleado durante uma manifestação que culminará na Revolução Constitucionalista de 1932
Carlos é covardemente alvejado - Divulgação Globo/Camila Maia

Tente segurar as lágrimas no capítulo de hoje (quarta 05/02), de Éramos Seis. Inês (Carol Macedo) e Carlos (Danilo Mesquita) combinam uma viagem às escondidas, mas uma armadilha do destino impede o passeio do casal. Tudo porque o rapaz decide ir falar com Felício (Paulo Rocha) sobre Isabel (Giullia Buscacio) bem na hora que está acontecendo uma manifestação que se transformará na Revolução Constitucionalista de 1932. Afonso (Cássio Gabus Mendes), Virgulino (Kiko Mascarenhas), Tião (Izak Dahora), Lúcio (Jhona Burjack) e Alfredo (Nicolas Prattes) estão lá lutando por seus ideais no protesto, mas é Carlos quem se tornar vítima da situação. Adelaide (Joana de Verona), claro, não poderia ficar de fora dessa e marca presença, mas fica tensa quando começa a escutar os disparos.

fa

Todos saem correndo para se proteger, sem perceber que Carlos também está lá. O rapaz é atingido por um disparo da polícia e é levado para o hospital. O delegado Gusmões (Stepan Nercessian) encontra os documentos dele e alerta Almeida (Ricardo Pereira), que vai dar a notícia à família. Alfredo reconhece o irmão e se desespera. Mas não há dor maior do que a de Lola (Gloria Pires). Ela chega transtornada no hospital, a tempo de encontrar o filho vivo. Mas Carlos passa mal, se despede da mãe, Inês, Isabel e Alfredo e morre. É pra chorar até desidratar!
 

Último acesso: 26 Feb 2020 - 22:11:43 (1051916).